90 T.I | Inovação que facilita!
30/03/2017

Dicas para calcular a composição de preços unitários

Ter um orçamento de obra controlado prevê uma condução mais harmoniosa da obra, evitando desperdícios para uma conclusão segura dos serviços prestados. Entretanto, esse cálculo passa por muitos detalhes que devem ser levados em consideração.

Ele vai desde a contagem dos serviços prestados a, até mesmo, o consumo de combustível dos equipamentos. Mas neste post, falaremos especificamente sobre a composição de preços unitários, o que ela significa e apresentaremos também algumas dicas para calcular os preços unitários.

Deseja ter em mãos um orçamento mais eficiente e imune às novas projeções que podem encarecer o custo final da obra, reduzindo assim o lucro? Confira o nosso artigo de dia!

O que é uma composição de preços unitários?

Basicamente, a composição de preços unitários (também conhecida como CPU) se resume à atividade de relacionar todos os custos praticados durante uma obra ou após a sua execução. Antes da obra começar, o que se tem é mais um serviço de orçamento e estimativas para obter um controle mais preciso, que permita negociar preços mais vantajosos — reduzindo o custo final da obra e ampliando a margem de lucro. Nessa composição, são listados os insumos que serão utilizados para cada unidade do serviço.

Essas listagens são utilizadas por quem procura ter um controle melhor do material de construção utilizado, obtendo uma estimativa precisa a respeito dos custos envolvidos nos serviços prestados. A composição de preços unitários oferece esses valores com qualidade, sem falar que ela é a ferramenta mais utilizada quando se procura saber o que funcionou e o que não deu certo na execução da obra.

Insumos mais comuns em uma composição

Em uma análise, é possível apontar o que está coerente e o que merece reajuste nos orçamentos seguintes. Assim, é muito mais qualitativo saber quanto se está gastando em mão de obra, material e equipamento, que são os insumos mais comuns em uma composição de preços unitários.

Por que saber quanto se gasta com cada item de uma obra?

No setor de Construção Civil, planejamento é o elemento-chave para qualquer empreendimento se afastar do fracasso. Em parte, porque uma planilha de orçamento precisa de um passo a passo detalhado da construção para manter controle sobre cada etapa de uma obra ou de um projeto estrutural. Afinal, são decisões que tornam o andamento dos seus projetos mais seguros e menos passíveis de erros.

Além disso, saber quanto você gastará com mão de obra, material e equipamento confere uma posição mais cômoda para a sua empresa, para orçar diferentes tipos de serviços. Afinal, caso a sua construtora trabalhe com um padrão específico, com poucas variáveis, fica mais simples entender o valor total da obra a partir da composição de preços unitários.

Como saber a diferença entre insumos vs. serviços?

Para entender um pouco melhor o que falamos até aqui, nos aprofundaremos nesse conceito que deve ser calculado, que são os insumos e os serviços. Primeiramente os insumos, que já dissemos ser definidos em três aspectos diferentes:

  • Material: envolve todos os tipos de materiais que serão utilizados nas mais variadas etapas de produção da sua obra, como areia, cimento, pedra, barras de aço, latas de tinta e madeira;
  • Mão de obra: são os custos que envolvem a contratação de todo tipo de serviço especializado, como é o caso de pedreiros, serventes, pintores, carpinteiros, eletricistas e operadores;
  • Equipamentos: todo custo que se relaciona à aquisição ou aluguel dos mais diversos equipamentos, como rolo compactador, lixadeira, betoneira e furadeiras;

Em seguida, temos os serviços que se referem à combinação de insumos utilizados para realizar uma etapa mensurável de sua obra.

Como encaixar os preços unitários na planilha de orçamento?

Sendo a planilha de orçamento da obra um dos itens mais importantes da sua profissão e que norteia todas as partes envolvidas a respeito dos custos de cada projeto. Para encaixar a composição de preços unitários na planilha de orçamento da obra, é preciso identificar cada etapa na planilha da seguinte maneira:

  • Código: estabelece um parâmetro para identificar, tanto os serviços quanto os insumos;
  • Descrição: é o campo em que você apresentará a descrição do serviço ou do insumo utilizado (convém ser detalhado aqui, para facilitar a leitura geral do documento);
  • Unidade: cada serviço e insumo utilizados, como m², m³, kg, m², um (usado para materiais) e h (hora de máquina) para os equipamentos utilizados;
  • Classe: em qual categoria está inserido o insumo em questão, como MOD (para mão de obra), MAT (para material) e SER (para indicar serviço). Esses indicadores podem mudar e serem acrescidos outros, afinal, um aspecto importante é ter fluidez e compreensão na leitura;
  • Coeficiente: aqui está representada a incidência de cada insumo utilizado e necessário na execução de uma unidade do serviço — por exemplo: para 1 m² de alvenaria, é necessária a utilização de 0,64 hora do serviço de pedreiro;
  • Preço unitário: corresponde ao custo unitário de cada um dos insumos utilizados na composição total;
  • Preço total: aqui estão relacionados os custos totais de cada insumo, o qual se revela a partir da multiplicação do preço unitário pelo coeficiente de consumo — a somatória dessa coluna indica o total sem o acréscimo das taxas;
  • Mão de obra: é a somatória dos custos relacionados à mão de obra, bem como à hora/máquina dos equipamentos utilizados na composição.

Com isso, fica muito mais fácil identificar, em sua planilha de orçamento da obra, todos os elementos da composição de preços unitários.

Como retirar informações valiosas da composição de preços?

Por fim, falaremos a respeito da relevância de se observar atentamente a composição de preços unitários — que nada mais é do que uma conclusão do que vimos neste artigo até aqui. Afinal de contas, a partir de uma composição de preços unitários bem elaborada, é possível identificar uma série de indicadores essenciais para conduzir com total precisão a obra, como:

  • O pedido de materiais dos serviços a ser orçado;
  • O cálculo do tempo das atividades da obra;
  • Se o preço do empreiteiro está de acordo com o que a sua empresa costuma receber do contrato.

Sem falar na eficiência e facilidade em analisar os custos para os próximos projetos, como adiantamos anteriormente. Por isso, aprenda a lidar com a composição de preços unitários, em sua rotina e transforme por completo a qualidade dos serviços prestados em sua empresa!

Quer ter mais dicas como a que vimos aqui? Curta a nossa página do Facebook, assim você nunca perderá nossas novidades e ainda terá um importante canal de comunicação para interagir com a gente e outros profissionais da área!

/noventati /@90tecnologia /90tecnologiadainformação